Victória Vidal – acadêmica do 4° semestre de Relações Internacionais da Unama

A dinâmica da política ao redor do globo tem recebido cada vez mais a presença dos partidos de esquerda, especialmente na América Latina. Tal cenário consolidou-se, também, na Colômbia, em uma vitória histórica de Gustavo Petro, com 55,44% dos votos no terceiro turno para as eleições de presidente do país. No entanto, o que mais chama a atenção nesse feito é o fato de, tradicionalmente, não haver a eleição de governos de esquerda no país, sendo essa a primeira vitória na história colombiana.

Após o seu mandato como prefeito de Bogotá, Gustavo Petro adentrou três vezes em uma jornada rumo à presidência, na qual pode-se perceber alguns aspectos que mostram as mudanças que houveram desde a sua segunda tentativa à presidência, até a atual que o elegeu. Em 2018, algumas movimentações externas levaram a sua derrota, como por exemplo, a crise vivida na Venezuela, que levou a migração 2 milhões de venezuelanos para a Colômbia, trazendo um questionamento popular sobre seu status de ex-guerrilheiro e aliado de Hugo chaves (BBC, 2022). Mas os rumos mudaram em 2022, com a mudança do pensamento da população graças, por exemplo, às crises advindas da pandemia, como o aumento das mazelas sociais enfrentadas pelo povo colombiano;

Em sua gestão como prefeito, alcançou alguns feitos como a criação da Secretaria da Mulher, modelos de cidades com foco ambiental, planos para viciados em drogas, entre outros (BBC News Brasil, 2022). Já como presidente, seu plano de governo visa alcançar níveis mais altos e ousados e financiar estes novos níveis podem ser um grande dilema do atual governo. Algumas de suas propostas de governo incluem a redução da dependência econômica do país em combustíveis fósseis e no carvão, além de também fazerem a transição da atual matriz energética para uma mais sustentável (CNN Brasil, 2022).

Segundo Petro, ele alcançará esse objetivo com “um crescimento notável do turismo – que depende da consolidação da paz em muitos territórios – e da indústria de cannabis medicinal” (El País, 2022). No entanto, os dilemas surgem a partir do setor industrial colombiano. Este, que carece de crescimento e tem seu processo estagnado, com os principais itens sendo importados do exterior – incluindo o setor agrícola – graças à abertura econômica no país. Com isso, baseia-se a economia colombiana na exportação de bens primários como petróleo e carvão.

Este fato gerou diversas reservas em muitos colombianos perante a proposta de Gustavo Petro de descentralizar-se do petróleo para as fontes de energia renováveis. Segundo especialistas, tais manobras podem gerar a retirada de investimento estrangeiro do país e desequilíbrio econômico. Outra de suas várias propostas incluem fazer uma reforma tributária no país, sendo como seu objetivo, financiar políticas de combate à pobreza. (F. de São Paulo, 2022). Um dia após a sua posse como presidente, no dia 08 de setembro de 2022, Gustavo Petro apresentou seu primeiro projeto para as mudanças.

No projeto apresentado, Petro aponta a cobrança de impostos para as classes mais altas, afim de redirecionar os valores obtidos para a população colombiana, afim de “erradicar a fome, reduzir a pobreza e acabar com tratamento preferencial na cobrança de impostos” segundo o ministro da fazenda colombiano, Ocampo.

Outra manobra que marca o início do governo esquerdista é a abertura da fronteira com a Venezuela, depois de 7 anos fechada, onde escreve o presidente Gustavo Petro em suas redes que “como primeiro passo, será a retomada a conexão aérea e o transporte de carga entre nossos países. Confirmamos o empenho do governo em reestabelecer as relações fraternas.”. Essas e outras mudanças feitas ou propostas por Gustavo Petro, mesmo sendo o vislumbre de um país melhor, representam mudanças radicais na estrutura social e econômica colombiana.

Apesar do presidente e sua vice, Francia, terem assumido o poder com a maior bancada governista da última década, em comparação com os seus antecessores (Michelle de Melo, 2022), as mudanças propostas por Gustavo Petro estão sujeitas a diversas dificuldades além da aprovação, como, principalmente, a atual falta de recursos financeiros do país e os conflitos de interesse com a classe mais altas. Dentro das relações internacionais, vários destes aspectos podem ser analisados à luz de diversas teorias e perspectivas, visando criar uma análise do cenário.

O teórico clássico David Ricardo e a sua teoria, a teoria das vantagens comparativas, expõe sobre como deve ser realizada a cadeia de produção de um país, onde cada país deve centralizar seus esforços nos produtos que lhe agregam melhor custo-benefício, competindo no mercado internacional. (KRUGMAN & OBSTFELD, 2007). Analisando sob esta perspectiva, ao sugerir mudanças no foco econômico, reduzindo os investimentos no setor de comercialização de petróleo e carvão, o atual presidente pode impactar a sua vantagem relativa perante o comércio internacional, afetando também a economia do país já deficitária.

Nesse sentido, sem uma industrialização capacitada, uma reserva econômica insuficiente e em meio a provações sociais, a melhor saída seria focar em uma recuperação econômica (que atualmente depende desses recursos), e afastar-se da dependência dessa economia primária através de uma mudança gradual, o qual necessitaria de anos de alterações internas, pesquisas e projetos nas bases econômicas, visando, primeiramente, encontrar uma nova fonte de lucro para o país passar a agregar os seus esforços.

Conclui-se, então, que há um longo caminho para as propostas apresentadas por Gustavo Petro se concretizarem, caminho esse que caso seja efetivado, levará a mudanças históricas, sendo necessária também a continuação dos projetos pelos futuros líderes colombianos em seus respectivos mandatos.

Referências:

DE MELLO, Michelle. Petro e Francia assumem presidência prometendo reformas estruturais na Colômbia. Brasil de Fato. 7 de agosto de 2022. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2022/08/07/petro-e-francia-assumem-presidenciaprometendo-reformas-estruturais-na-colombia

EL PAÍS, Bogotá, 20 de junho de 2022. Disponível em: https://elpais.com/america-colombia/elecciones-presidenciales/2022-06-20/las-propuestaseconomicas-d-gustavo-petro-transicion-energetica-y-reforma-tributaria.html

KRUGMAN, Poul R.; OBSTFELD, Maurice; MELITZ J, Marc. ECONOMIA INTERNACIONAL, 10° edição. [tradução Ana Julia Perrotti-Garcia]. – São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2015.

PETRO PROPÕE REFORMA TRIBUTARIA EM 1º DIA DE GOVERNO NA COLÔMBIA. Folha de São Paulo, 8.ago.2022 às 15h05. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2022/08/petro-propoe-reforma-tributaria-em-1o-diade-governo-na-colombia.shtm

PRADO, Daniel. GUSTAVO PETRO TOMA POSSE neste domingo como primeiro presidente de esquerda da Colômbia. G1. 07 de agosto de 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/08/07/gustavo-petro-toma-posse-neste-domingocomo-primeiro-presidente-de-esquerda-da-colombia.ghtml

PRADO, Daniel. Quem é Gustavo Petro, o 1º presidente de esquerda eleito na Colômbia. BBC News Brasil. 20 de junho de 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-61871719

PRADO, Daniel. Gustavo Petro: os desafios do novo presidente da Colômbia na economia. BBC News Brasil. 7 de agosto de 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-62444024 TORRADO, Santiago. Las propuestas económicas de Gustavo Petro: Transición energética y reforma tributáriaAS 5 PRINCIPAIS PROPOSTAS PARA A COLÔMBIA DO PRESIDENTE ELEITO GUSTAVO PETRO. CNN Brasil, 2022. Disponível em: As 5 principais propostas para a Colômbia do presidente eleito Gustavo Petro | CNN Brasil