Vinicius Pontes, acadêmico do 5° semestre de Relações Internacionais

Em dezembro do ano de 1997 foi lançado  “Sobrevivendo no inferno”, o quarto álbum de estúdio do Racionais MC´S. O álbum encabeçado por Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e KL Jay se tornou uma das principais obras do Rap nacional, possuindo uma inestimável influência política e social até os tempos atuais. 

Sobrevivendo no Inferno” deu origem a um livro de mesmo nome, contando com todas as letras presentes no álbum, informações inéditas, uma breve análise da obra e fotos extras do grupo. O livro chegou a ser colocado como leitura obrigatória no vestibular da UNICAMP.

O álbum retrata os principais problemas que a juventude negra e periférica enfrentava no Brasil dos anos 90. Por meio de uma estrutura de álbum muito similar a um culto evangélico, o grupo conseguiu produzir faixas extremamente cruas e realistas que denunciam todo o caos resultado do racismo, da violência policial e da negação de direitos humanos aos penitenciários que eram constantemente mascarados pela sociedade brasileira. 

Diário de um Detento

O ser humano é descartável no Brasil

Como modess usado ou Bombril

Cadeia? Guarda o que o sistema não quis

Esconde o que a novela não diz

(PRADO;BROWN, 1997)

Por conta do seu caráter de denúncia e de contra-ataque ao racismo, é possível relacionar a obra do grupo com a vertente pós-colonial das Relações Internacionais (RI), corrente teórica da área que busca revisitar as análises das teorias mainstream – como o Neorealismo e o Neoliberalismo – e refutar análises com caráter etnocêntrico do sistema internacional., que desconsideram problemas históricos locais, tal como, crimes cometidos contra os colonizados para a construção das retóricas universalizadas contadas como história ocidental. 

Um exemplo de autor desta vertente é Frantz Fanon, que afirma na obra “Pele Negra, Máscaras Brancas” que a criação e a racialização do “outro”, isto é, a denominação realizada pelos colonizadores de povos como sendo “negros” e brancos”, retirou dos colonizados a possibilidade de se verem e serem vistos como seres humanos, os aprisionando naquilo que os “brancos” determinaram como as características étnicas destes povos (FANON, 2008, p.105).

Dessa forma, o grupo Racionais denuncia não só o contexto marginalizado de uma minoria brasileira, mas também critica o sistema internacional ao passo que este cria um cenário desigual, vulnerável e imparcial, subjugando principalmente pessoas negras às partes periféricas da sociedade. Segundo Sheila Nair, o pós-colonialismo indica que o racismo, a misoginia e outras formas de discriminação reproduzem o que a autora chama de hierarquia nas relações internacionais, cujo objetivo é a concentração de poder sobre a igualdade social (NAIR,2017).

Assim, o grupo musical brasileiro consegue difundir ideias contra essa política segregacionista de forma direta e explícita, com o propósito de demonstrar a insatisfação com a forma em que a própria sociedade brasileira foi construída, além de salientar que as futuras gerações também estão fadadas ao mesmo processo, como indica a música “Mágico de Oz” onde o monólogo inicial apresenta a voz de uma criança dependente de drogas, que foi inserida no contexto violento contra sua vontade, por falta de oportunidades e atenção. Em suma, o álbum reflete a veracidade das denúncias, ao mesmo tempo em que propõe um diálogo com a população exposta aos problemas sociais deixados no país, e como esse tema deve ser tratado de forma crua e cruel para que enfim seja sequer discutido.

 Pode-se concluir que “Sobrevivendo no Inferno” tem um valor inestimável para a cultura brasileira. Sendo essencial para a compreensão dos problemas relacionados ao racismo que seguem sendo constantemente mascarados na sociedade brasileira contemporânea.

Referências:

FANON, Frantz. Pele Negra Máscaras Brancas. Tradução de Renato da Silveira. – Salvador: EDUFBA, 2008.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. Companhia das letras, 2019

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e eurocentrismo na América Latina. Sociologia Internacional , v. 15, n. 2, pág. 215-232, 2000.

NAIR, Sheila. Introducing Postcolonialism in International Relations Theory. E-international Relations, 2017. 

Racionais: Sobrevivendo no Inferno por Djamila Ribeiro. Youtube, 26/10/2018. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=rrImxSr0mQo>. Acesso em: 25/04/2022.

Racionais: Sobrevivendo no Inferno por Mário Medeiros. Youtube,  20/12/2018. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=lq11iDITGhg>. Acesso em: 25/04/2022.

Roda Viva | Mano Brown | 2007.Youtube, 15/03/2018. . Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=IaQWmNkqkSg>. Acesso em: 25/04/2022.

RACIONAIS: POR UM BRASIL MENOS IGNORANTE #meteoro.doc. Yotube, 09/05/2019. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=Hp-zkcj9n38>. Acesso em: 25/04/2022.

TOLEDO, Aureo. Perspectivas pós-coloniais e decoloniais em relações internacionais. EDUFBA, 2021.

PRADO, Joscenir; BROWN, Mano. Diário de um DetentoIn: Sobrevivendo no Inferno. Intérprete: Racionais MC´S. São Paulo: Cosa Nostra, 1997. (7:31). Disponível em: https://open.spotify.com/track/7wglwZzZoWUr8sOECwpu6L?si=3a99ec8238ca4a17. Acesso em: 24 abr. 2022.