blue-helmet

Ana Carolina Quadros – acadêmica do 3° semestre de Relações Internacionais da UNAMA.

O Neorrealismo pertence ao conjunto de teorias que compõem o campo de estudo das Relações Internacionais. Esta vertente caracteriza-se por ser estruturalista, ou seja, acredita que o comportamento dos atores é definido pela estrutura anárquica presente no sistema internacional. Também possui como premissa o Estado como ator principal ou único, portanto, não enxerga a influência de Organizações Internacionais e Empresas Transnacionais no cenário internacional, possui foco apenas no comportamento das grandes potências (SARFATI, 2005).

Segundo John Mearsheimer, as grandes potências buscam estabelecer a sua hegemonia como modo de garantir a segurança e a sobrevivência no sistema, por isso procuram possuir capacidade bélica como uma demonstração de força e superioridade perante os demais (MEARSHEIMER, 2012). Essa busca incessável pela maximização do poder gera um dilema de segurança devido à instabilidade e desconfiança criada pelas grandes potências que, apesar de já possuírem forte poder militar, optam por continuar investindo nesses recursos, os quais, na visão do realismo ofensivo, são a melhor forma para assegurar a sobrevivência. Contudo, isso somente oprime e influencia os outros Estados a se armarem na tentativa de proteger-se de um possível ataque (MEARSHEIMER, 2007).

O Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz consiste em uma homenagem realizada pela ONU como tributo a todos os membros que perderam a vida desde a primeira mobilização em 1948, enquanto atuavam nas operações de paz. Os “capacetes azuis”, como são chamados os trabalhadores das tropas, buscam manter a segurança levando paz e estabilidade a sociedades dilaceradas pela guerra, protegendo os civis de perigos, além de promover os direitos humanos e o Estado de direito (ONU, 2016).

No cenário atual, é possível observar as falhas deixadas pela teoria Neorrealista, principalmente pela falta de compreensão sobre a relevância e influência das organizações e da sociedade civil global no sistema internacional. O foco no ganho individual de cada Estado impede uma visão mais ampla, na qual pode existir acordos e cooperação para suprir os interesses difusos presentes no sistema, estabelecendo benefícios mútuos para os atores envolvidos. As tropas de paz da ONU mostram-se como um excelente exemplo de cooperação e ganhos multilaterais, pois os custos das operações são distribuídos de forma equitativa entre todos os Estados-Membros e buscam manter a segurança internacional evitando que os conflitos recomecem ou cresçam mais.

Por fim, entende-se que a solução de problemas e conflitos existentes pode ser realizada por outros atores, subestimados pela teoria neorrealista, por meio da cooperação e da governança global, buscando manter uma paz sustentável através de negociações com o propósito de garantir a segurança internacional juntamente com o bem-estar social.

REFERÊNCIAS:

MEARSHEIMER, John. A Tragédia da Política das Grandes Potências. Lisboa: Gradiva, 2007.

________________. John Mearsheimer on Power as the Currency of International Relations, Disciplining US Foreign Policy, and Being an Independent Variable. [Entrevista concedida a] Schouten, P. Theory Talks, n° 49, 24, junho, 2012. Disponível em http://www.theory-talks.org/2012/06/theory-talk-49.html. Acesso em 24 de maio de 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. ONU marca Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz; brasileiro será homenageado. 18, maio, 2016. Disponível em https://nacoesunidas.org/onu-marca-dia-internacional-dos-trabalhadores-das-forcas-de-paz-brasileiro-sera-homenageado/. Acesso em 25 de maio de 2020

SARFATI, Gilberto. Teoria das Relações Internacionais. São Paulo: Saraiva, 2005.