98835290-8b5e-11e8-a6ea-9bd9a53b7c55_BidenTrump2NTK

Giovanna Lima – Acadêmica do 5° semestre de Relações Internacionais da UNAMA

A teoria construtivista ganhou força na década de 1980 com Nicholas Onuf. O termo construtivismo foi popularizado por Alexander Wendt  com a obra “Anarchy is What States Make of It”, publicado em 1992.

Na abordagem construtivista, os principais protagonistas não são chamados de atores, pois estes não são pré-definidos por uma estrutura; mas sim de agentes, pois vão influenciar e construir a estrutura. Os autores construtivistas afirmam que nós somos os agentes na construção do mundo em que vivemos e por isso, este  é produto das nossas escolhas e assim, fomos nós quem construímos. Dessa forma, esta teoria reconhece que o mundo é socialmente construído no qual o agente influencia a estrutura e a estrutura influencia o agente.

Nesse contexto, as eleições presidenciais de 2020 nos Estados Unidos que acontecerá dia 3 de novembro de 2020, elegerá o 46º presidente estadunidense e seu vice. Já em 2017 os candidatos começaram a anunciar suas propostas para as eleições presidenciais de 2020, entretanto, atualmente, dois estão concorrendo ao cargo, sendo esses, o presidente Donald Trump, do Partido Republicano, atual presidente eleito em 2016 que busca sua reeleição e o ex-vice-presidente Joe Biden, que é o candidato do Partido Democrata escolhido para enfrentar Trump. O eleito irá tomar posse em 20 de janeiro de 2021.

Alguns fatores têm interferido na eleição presidencial. A pandemia da COVID-19, por exemplo, coloca desafios para os candidatos, uma vez que o país já registra mais de 90 mil mortes por coronavírus sob o governo de Donald Trump e seu comportamento na condução da crise tem se tornado elemento central na disputa pela presidência. Com os Estados Unidos atingindo recordes de mortes em 24 horas e a economia do país caindo 4,8% no primeiro trimestre de acordo com o Departamento de Comércio Americano, o atual presidente tem visto sua grande popularidade cair.

A pandemia ainda impediu que campanhas convencionais fossem realizadas, tendo eventos e comícios cancelados, prejudicando sobremaneira Joe Biden. Entretanto, a conduta de Trump frente a pandemia tem feito o adversário republicano liderar levantamentos nos estados conhecidos comos swing states como apontam dados do Real Clear Politics.

Assim, nota-se que o que por muito tempo parecia uma vitória certa por Donald Trump pode ser contestado por eventos exógenos que trouxeram dúvidas como mostra uma pesquisa da Reuters/Ipos que aponta Joe Biden liderando os levantamentos por 8 pontos. Deste modo, faltando menos de seis meses para as eleições, novos eventos podem mudar a forma que a população reage e assim, estes podem mudar o rumo das eleições dos Estados Unidos, em uma relações de influência mútua entre agente e estrutura como afirma Wendt.

 

REFERÊNCIAS

BARBOSA, Gabriela. O Construtivismo e Suas Versões no Estudo das Relações Internacionais. V Congreso Latinoamericano de Ciencia Política. Asociación Latinoamericana de Ciencia Política, Buenos Aires, 2010.

Economic indicators. Disponível em: <https://www.commerce.gov/index.php/data-and-reports/economic-indicators>. Acessado em: 21 maio 2020

Election 2020 State Polls. Disponível em: < https://www.realclearpolitics.com/epolls/latest_polls/state/>. Acessado em: 21 maio 2020

Trump approval dips amid mounting coronavirus death toll, trails Biden by 8 points: Reuters/Ipsos poll. Disponível em: < https://www.reuters.com/article/us-usa-election-poll/trump-approval-dips-amid-mounting-coronavirus-death-toll-trails-biden-by-8-points-reuters-ipsos-poll-idUSKBN22O3FG>. Acessado em: 21 maio 2020

WENDT, Alexander. Anarchy is what States Make of it: The Social Construction of Power Politics. The MIT Press; International Organization, Vol. 46, No. 2, 1992

Who is running in 2020. Disponível em: < https://graphics.reuters.com/USA-ELECTION/010091471JC/index.html>. Acessado em: 21 maio 2020