Sem título

A corrida pela Casa Branca: o democrata Joe Biden varre jovens contra Donald Trump

51% dos jovens americanos entre 18 e 29 anos preferem o candidato democrata como o próximo presidente dos Estados Unidos. Comparado a 28% que deseja que o atual presidente siga.

De acordo com uma pesquisa da Harvard Kennedy School,  o candidato democrata  Joe Biden é o candidato preferido entre os jovens de 18 e 29 anos para vencer  a eleição  de presidente dos Estados Unidos neste ano. O  percentual desta preferência chega a 51% para Biden, contrapondo o percentual de 28% a favor de Donald Trump. O resultado da pesquisa caminha na mesma linha da aprovação ou não de Trump como atual presidente entre os jovens desta faixa etária, a pesquisa indica que ele possui apenas 32% de aprovação e 66% de desaprovação.   

Para ler a notícia completa, acesse:  https://www.clarin.com/mundo/carrera-casa-blanca-democrata-joe-biden-arrasa-jovenes-frente-donald-trump_0_LyKt4h8He.html

merlin_171904956_c68bde1b-0ebd-476f-99ed-467f31df9c3b-superJumbo

Enquanto o Ramadã começa, os muçulmanos (na maioria das vezes) aderem às ordens pandêmicas

Os locais mais sagrados do Islã estavam amplamente desertos no início do mês sagrado, mas em alguns lugares os muçulmanos estavam resistindo de maneira que poderiam espalhar o coronavírus.

Nesta sexta-feira, o primeiro dia do Ramadã, o silêncio reinava na Grande Mesquita de Meca. Devido a pandemia do coronavírus, o Ramadã deste ano precisa se adaptar às proibições de orações comunitárias e a redução das reuniões familiares. Contudo, em alguns locais as restrições não estão sendo seguidas, como ocorreu por exemplo nas mesquitas da província autônoma de Aceh, que estavam lotadas. Alguns governos acreditam que o Ramadã pode contribuir de modo significativo para a disseminação do vírus, de forma semelhante como ocorreu com as celebrações do Ano Novo Chinês em Wuhan, China. 

Veja a notícia completa, em: https://www.nytimes.com/2020/04/24/world/middleeast/coronavirus-ramadan-2020.html

5dbfbff0bfd845d38dac869fb0aac0a7_18

Congresso dos EUA dá aprovação final ao pacote de ajuda de US $ 484 bilhões

Um quarto projeto de lei de resposta ao coronavírus de emergência é aprovado em um esforço sem precedentes para fornecer uma rede de segurança econômica.

Na quinta-feira, a Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou, com 388 votos a favor e 5 contra,  lei que destina US $ 484 bilhões para pequenas empresas, para hospitais e para uma estratégia nacional de testes COVID-19. Na terça feira, o projeto já tinha sido aprovado por unanimidade pelo Senado e o próximo passo é assinatura do presidente Donald Trump. A crise decorrente da pandemia do coronavírus levou ao fechamento de diversas empresas norte-americanas e a perda do emprego de mais de 26 milhões de americanos. 

Para acompanhar a notícia na íntegra, acesse: https://www.aljazeera.com/news/2020/04/congress-final-approval-500bn-relief-package-200423191131047.html

 

Líderes mundiais lançam plano para acelerar vacinas e medicamentos COVID-19; EUA fica longe

Nesta sexta-feira, os líderes mundiais se reuniram por videoconferência e se comprometeram acelerar o trabalho de testes, medicamentos e vacinas contra o COVID-19 e a compartilhá-los em todo o mundo. Os Estados Unidos não participaram da reunião que a Organização Mundial da Saúde ( OMS) chamou de “colaboração histórica” para combater a pandemia, assim como outros grandes países não estiveram presente como  a China, Índia e Rússia.

Para ler a notícia completa, acesse:  https://www.reuters.com/article/us-health-coronavirus-who/world-leaders-launch-plan-to-speed-covid-19-drugs-vaccine-us-stays-away-idUSKCN2261M7

Sem título

Renúncia de Sérgio Moro enfraquece poder no Brasil

As acusações feitas contra Jair Bolsonaro pelo ambicioso e agora ex-ministro da Justiça na sexta-feira poderiam potencialmente justificar a abertura de um processo de demissão contra o presidente.

Na sexta-feira, o popular ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, renunciou ao cargo, instalando uma grave crise política no país. Em meio a pandemia global e a uma crise econômica, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ainda deverá enfrentar as repercussões da acusação do agora ex-ministro sobre o ataque a independência do sistema de justiça, com o desejo do presidente de nomear o chefe da Polícia Federal.  

Para acompanhar a notícia na íntegra, acesse: https://www.lemonde.fr/international/article/2020/04/25/au-bresil-la-demission-de-sergio-moro-ebranle-le-pouvoir_6037726_3210.html

 

Sem título

Netanyahu e Gantz fecham acordo de Governo de coalizão depois de mais de um ano de impasse em Israel

O líder do Likud continuará como primeiro-ministro por mais 18 meses, quando o dirigente centrista o substituirá no cargo

Após três eleições legislativas sem resultados conclusivos em Israel, o primeiro-ministro interino, o conservador Benjamin Netanyahu, e o líder centrista Benny Gantz, negociaram nesta segunda-feira, a implementação de um governo de coalizão, o que evitou a convocação de uma quarta eleição. O acordo prevê alternância no poder,  Netanyahu será o primeiro a ocupar o governo por 18 meses e depois será substituído por Gantz em um período equivalente. 

Para ler a notícia completa, acesse: https://brasil.elpais.com/internacional/2020-04-20/netanyahu-e-gantz-fecham-acordo-de-governo-de-coalizao-depois-de-mais-de-um-ano-de-impasse-em-israel.html