Chechênia

Gabriel Monteiro – Acadêmico do 3° semestre de Relações Internacionais da UNAMA.

O conflito entre Russos e Chechenos se iniciou em novembro de 1991, quando a Chechênia se declarou independente da Rússia em um atentado político em Grozny, onde os rebeldes assassinaram o chefe do partido comunista russo. Os conflitos se instauraram pós 1993, quando foi criada a República Chechena da Ichkeria. A guerra instaurada perdurou até meados de 2000, com acontecimentos marcantes até 2002 e seu período de insurgência até 2009. Mas, afinal, o que os Chechenos queriam? Qual o motivo da preocupação do governo Russo? Para compreendermos as duas guerras da Chechênia devemos analisar as questões políticas e geopolíticas que assolam o conflito desde seu início.

A região do Cáucaso além de ser histórica, como região fronteiriça de impérios ou de passagens comerciais como a rota de seda, remonta a geopolítica internacional hodiernamente, não perdendo a sua importância no sistema internacional. A região é rica em pontos onde passam oleodutos e gasodutos, transportando petróleo e gás natural da Ásia central para a Europa. A região caucasiana foi palco para muitos impérios, dentre eles o de Alexandre, Persa, Romano-Bizantino, Russo, Otomano e entre outros.

A partir de 1994 começaram os ataques e ofensivas de ambas as partes do conflito, em especial do Estado Russo. A primeira intenção por parte dos chechenos foi a sua independência. Em 1997, os chechenos elegeram seu próprio presidente, Asian Maskhadov, ex-oficial russo que foi o principal comandante dos rebeldes durante a guerra. Uma das grandes justificativas políticas do governo Russo acerca da Chechênia, era seu fundamentalismo Islâmico, pois, durante sua campanha de independência e na tentativa de criar um Estado muçulmano, os chechenos invadiram o território de uma república vizinha, Daguestão, em 1998, o que preocupou o país Russo na possível emergência de replicação das mesmas ações por outros países.

No dia 23 de Outubro de 2002, no teatro de Dubrovka em Moscou, um atentado rebelde das forças chechenas comandado por Arbi Barayev e mais 50 militantes, invadiram o teatro com mais de 900 pessoas a fim de reivindicar a cessação da permanência Russa no território da Chechênia. Esse evento ficou conhecido como a ‘Crise dos Reféns’ e deixou 130 pessoas mortas como mostra o jornal Mundo ao Minuto.

Para saber mais: https://www.youtube.com/watch?v=wX-xs9VJ-BI 

Referências:

VÍGILIO, M. Qual a importância geopolítica dos conflitos do Cáucaso do norte no século XXI, 2015. Disponível em: <https://www.academia.edu/15742794/Qual_a_import%C3%A2ncia_geopol%C3%ADtica_dos_conflitos_do_C%C3%A1ucaso_Norte_no_s%C3%A9culo_XXI>
Acesso em: 1 abril. 2020. 

Mundo ao Minuto. Crise de reféns no teatro Dubrovka. Verdade irremediavelmente perdida? 2017. [Internet]. Disponível em: <https://www.noticiasaominuto.com/mundo/886829/crise-de-refens-no-teatro-dubrovka-verdade-irremediavelmente-perdida> Acesso em: 1 abril. 2020

BBC. Entenda o conflito da Chechênia. 2002 [Internet]. Disponível em:  <https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2002/021024_russiamv.shtml> Acesso em: 1 abril. 2020.