Jaiane Madza Almeida – acadêmica do 3° semestre de Relações Internacionais da UNAMA

Adoráveis Mulheres (Little Women, 2019)

405f153c-3c3b-4f5b-b27e-90b52e2ba20f

      O enredo intercala entre o passado e  presente para contar a história de quatro irmãs enquanto amadurecem. Mais tarde, elas tentam encontrar seu lugar numa época que limita as mulheres sobre quais papéis devem desempenhar na sociedade, enquanto ainda se tornam personagens de um livro escrito por uma delas. 

      O filme é uma nova adaptação do romance clássico de Louisa M. Alcoot de 1868. A nova versão foi escrita e dirigida por Greta Gerwig. O elenco é formado por Saoirse Roman, Emma Watson, Florence Pugh, Eliza Scalen, Laura Dern, Timothée Chalament, Meryl Strup e Chris Cooper. A produção foi indicada a 6 prêmios do Oscar, como melhor filme, atriz, atriz coadjuvante, trilha sonora, roteiro adaptado e figurino.

      O filme mostra de forma sutil e nos faz refletir sobre a luta diária das mulheres na sociedade patriarcal em que vivemos.

O Julgamento de Viviane Amsalem (2015) 

965272d6-42de-4e91-ad10-9f9af1d57ed5

      Baseado em fatos reais, O Julgamento de Viviane Amsalem conta a história de uma mulher israelense que tenta se divorciar de seu marido. O grande problema é que de acordo com as leis religiosas ortodoxas, um casal só pode se divorciar com a permissão do homem. Como ele se recusa a conceder a separação, os juízes do caso não podem fazer nada para resolver a situação. Diante disso, Viviane passa 5 anos tentando, junto de seu advogado, conseguir o divórcio. 

      É interessante frisar que o filme não apresenta, ao longo da história, nenhum motivo “agravante” para a separação. Viviane apenas afirma que deseja abandonar o marido pois não sente mais amor por ele. O filme é dirigido por Shlomi Elkabetz e Ronit Elkabetz que também está no elenco principal junto com Menashe Noy e Simon Abkarian.

      O Julgamento de Viviane Amsalem é uma bela obra que aborda um tema importante como o machismo estrutural, onde a mulher não pode fazer sua vontade, pois as leis religiosas não permitem.