coronavirus

Gabriela Freitas – Acadêmica do 7º semestre de Relações Internacionais da UNAMA

O aumento de casos de pessoas infectadas com o coronavírus na China e, mais recentemente, em países asiáticos levanta a questão de como a comunidade internacional pode agir para enfrentar o desafio de impedir uma pandemia. Um tema global, como se sabe, exige uma resposta global, ou seja, uma governança que envolva todos os atores relacionados ao tema.

“Em que medida a estabilidade de uma ordem mundial depende da presença da governança?”. A partir da questão proposta na obra “Governança Sem Governo: ordem e transformação na política mundial” (2000), James N. Rosenau analisa sob vários aspectos os governos que ainda retém a sua soberania, mas que cedem uma parte da sua autoridade para a coletividade internacional. Desta forma, tendo certas funções sendo executadas mediante atividades que não tem origem nos governos.

Como consta no título, a obra indica que governo e governança são conceitos distintos. Ambos estão se referenciando a atividades orientadas para metas, no entanto, enquanto que um governo é sustentado por uma autoridade formal, a governança refere-se a atividades apoiadas em objetivos comuns. Ou seja, abrangendo mecanismos informais de caráter não governamental, que levam organizações e indivíduos (dentro da sua área de atuação) tenham uma conduta determina, assim satisfazendo suas demandas. Desta forma, sendo um sistema de ordenação que só funciona se for aceito pela maioria, enquanto que os governos podem funcionar mesmo com ampla oposição à sua política. 

Com atualmente, 63.932 casos confirmados na China e 505 casos confirmados em outros 24 países, o coronavírus, que era desconhecido pela ciência até pouco tempo, vem se propagando rapidamente e causando uma doença pulmonar grave em centenas de pessoas. Na China, onde começou o surto do vírus, 1.381 pessoas já morreram, de acordo com Ministério da Saúde chinês. Casos do vírus já foram confirmados em países como a Coreia do Sul, Tailândia, Japão, Estados Unidos e França.

Consistindo de uma série de entendimentos, por qual está fluindo a política global, a ordem mundial se divide entre os dois entendimentos: rotineiros (como o uso de passaporte, comércio e procedimentos relacionados com os correios) e fundamentais (diferença de hierarquia entre atores, diplomacia, premissas que compartilham, conflito). Esta série de entendimentos se mantém dentro de um contexto que rege as atividades dos membros da sociedade internacional em um largo espectro de temas, contudo, nem todos resultam do entendimento dos esforços rotineiros ou fundamentais. Podem também derivar da soma de decisões individuais planejadas para responder a preocupações imediatas, mas foram acumuladas e passaram a assumir a forma de ordenação de todo o sistema. 

Com o crescente número de casos que foram reportados, e posteriormente as primeiras mortes pelo vírus, foi se construindo um medo, que então, assumiu a forma de uma intensa pressão dos indivíduos perante os seus governos para que fossem tomadas medidas diante da possível epidemia global. Como uma das primeiras medidas, houve cancelamentos de voos comerciais para a China e nações organizando o retorno de seus cidadãos do epicentro do coronavírus. Outros tomaram medidas consideradas radicais como a Austrália. E nesta sexta-feira (14), a Organização Mundial da Saúde (OMS), declarou que a epidemia de Covid-19 foi controlada no mundo. Em entrevista coletiva, o diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Mike Ryan, disse que “não há aumentos dramáticos de transmissão fora da China”, além dos casos na embarcação Diamond Princess no Japão. 

Com isto, podemos concluir que, mesmo com os esforços do governo chinês e o pronunciamento recente da OMS, os demais organismos do sistema internacional devem agir em conjunto em combate ao vírus, pois a situação atual não se restringe a nenhuma fronteira sendo ela oriental ou ocidental. Afinal, governança e ordem são eventos interativos, tais como atividades planejadas para regularizar os entendimentos que sustentam os assuntos mundiais. A governança delineia a estrutura da ordem mundial atual, o que não poderia fazer se a estrutura que constitui essa ordem não o facilitasse.  Para isto, é necessário muito além dos esforços da China enquanto governo e da Organização Mundial da Saúde: é necessária colaboração global cada vez maior de todos os atores envolvidos.

ROSENAU, J.; OTTO, T. Governança Sem Governo: ordem e transformação na política mundial. Brasília: Editora UNB, 2000.

CASEY, R. How long will COVID-19 outbreak last; how can you stay protected?. Aljazeera, 12 de fev. de 2020. Disponível em: <https://www.aljazeera.com/news/2020/02/long-covid-19-outbreak-stay-protected-200212140216674.html&gt;. Acesso em: 14 de fev. de 2020. 

OMS afirma que epidemia do coronavírus está controlada no resto do mundo. G1, 14 de fev. de 2020. Disponível em: <https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2020/02/14/oms-afirma-que-epidemia-do-coronavirus-esta-controlada-no-resto-do-mundo.ghtml&gt;. Acesso em: 14 de fev. de 2020.