Brexit: a aproximação do fim?

brexit.jpg

Eduardo Oliveira – Acadêmico do 5º semestre de Relações Internacionais da UNAMA

No âmbito das análises de Relações Internacionais, se localiza, dentro do paradigma Realista, a ideia da centralidade da entidade do estado-nação. Para (SARFATI, 2005), o realismo acredita que estados são essencialmente atores racionais, fazendo um balanço de suas ações a fim de verificar seu pragmatismo.

Nesta sexta-feira (20), o parlamento britânico aprovou proposta do primeiro ministro, Boris Johnson, a fim de efetivar a saída do Reino Unido da União Europeia. O país garantiu seu lugar no bloco econômico no dia 1º de janeiro de 1973, já se diferenciando dos demais países com a negociação da cláusula de não participação no euro, moeda comum do bloco, pelo que não é obrigado a adotá-lo.

As relações Reino Unido – União Europeia nunca foram fáceis. Havia ceticismo por parte dos políticos mais influentes sobre as vantagens que e agregariam ao país uma possível adesão ao bloco. Assim, ao logo de 43 anos, turbulentas relações político-econômicas foram constatadas, atingindo o ápice em 2016, quando cidadãos do país votaram a favor da saída da União Europeia. Em 29 de março de 2017, o Reino Unido ativou o artigo 50.º do Tratado de Lisboa, notificando assim formalmente o Conselho Europeu da sua intenção de sair da UE.

As tentativas da saída vêm se estendendo por mais de 3 anos, acarretando diversos fracassos políticos e renúncias de cargos, como o da ex primeira ministra Theresa May, a qual, após diversas tentativas, não conseguiu um apoio significativo dentro do parlamento.

Após diversas datas e expectativas criadas ao longo desses anos para a saída, o texto de Boris Johnson, atual primeiro ministro teve o voto favorável de 358 parlamentares e contrário de 234.

O paradigma supracitado pode explicar a decisão do Reino Unido sair da União Europeia. O estado nação Reino Unido, faz um balanço de prós e contras na sua permanência no bloco econômico, ratificando uma característica que foi definido em 1648 em Westfália, a soberania nacional.

 

REFERÊNCIAS:

BBC News. 8 razões pelas quais os britânicos votaram pela saída da União Europeia, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-36609225. Acesso em: 20/12/2019

EUROPA.EU. Reino Unido, 2019. Disponível em: https://europa.eu/european-union/about-eu/countries/member-countries/unitedkingdom_pt.  Acesso em: 20/12/2019

G1. Parlamento do Reino Unido aprova proposta de Boris Johnson para o Brexit: G1, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/12/20/parlamento-do-reino-unido-vota-proposta-de-boris-johnson-para-o-brexit.ghtml. Acesso em: 20/12/2019

GILBERTO, Sarfati. Teoria das relações internacionais. Brasília: FUNAG, 2012

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s