Resultado de imagem para imperialismo americano

Bruna Haddad – Acadêmica do 6º de Relações Internacionais da UNAMA 

Recentemente, os Estados Unidos anunciaram que somente apoiarão a candidatura da Argentina e Romênia para a entrada na OCDE. O presidente Donald Trump comprometeu-se anteriormente com Jair Bolsonaro no apoio da candidatura do Brasil para a organização. Esse compromisso foi assumido em um contexto de apoio do Brasil aos EUA sobre questões relacionadas a Venezuela e outros assuntos.

  Nesse contexto é interessante relembrar o conceito de “Zona vital” nos estudos da geopolítica, o qual se refere ao poder exercido por uma hegemonia em uma região estratégica. Para melhor esclarecer, podemos dar como exemplo a influência que os Estados Unidos exercem na América do Sul, elegendo em diversos momentos o Brasil como ponto estratégico para exercer o poder nesse continente e praticar imperialismos, seja em questões econômicas, políticas, sociais e culturais.

  A Ecogeobiopolítica tri-setorial ajuda a analisar a relação dos EUA com a América do Sul. Em linhas gerais, a Ecogeobiopolítica está relacionada a questões estratégicas frente a assuntos de cunho ambiental, geográfico, político e biológico com vistas a garantir (manter ou conquistar) a hegemonia de um Estado, empresa e sua sociedade em determinada região ou país.

  Os Estados Unidos, no decorrer da história, sempre mostraram interesse em se tornar potência na região da América, de forma que disseminaram a ideia do “American Way of Life” e da doutrina Monroe, que preconizava: “ América para os americanos”.

  Assim, para manter sua hegemonia sobre a América do Sul, os EUA irão tentar adotar posicionamentos que lhe garantam seus interesses. Foi nesse sentido que, em um primeiro momento, houve o apoio à candidatura do Brasil para a entrada da OCDE, havendo, posteriormente, tal desistência, ou melhor dizendo: os Estados Unidos irão tentar agir de acordo com sua conveniência para garantir seus interesses, bem como tornar-se hegemonia seja na América do Sul ou no Sistema Internacional como um todo.

  Por fim, devemos relembrar que a América do Sul é de suma importância para os Estados Unidos, já que detém grande riqueza natural, posicionamento geográfico estratégico, relevância em questões hídricas e marítimas, além da importância para seu comércio e economia.  Assim, sob o aspecto da ecogeobiopolítica, a América do Sul demonstra ser uma região estratégica para a consolidação da hegemonia norte-americana.