final champs.jpg

Ygor Cardoso Lopes- Acadêmico do 7º semestre de Relações Internacionais da UNAMA

A região do Cáucaso é conhecida como “barril de pólvora” em função de vários conflitos, incluindo Nagorno-Karabakh, palco de batalhas sangrentas entre armênios e azeris disputando o controle de uma parte da região.

Para Norberto Bobbio, no contexto internacional, a soberania do Estado significa que ele não está sujeito a leis que lhe sejam impostas por uma autoridade supra estabelecida, dotada do monopólio da força; significa, em outras palavras, a existência de uma situação anárquica.

Não podendo, pois, os contrastes que surgem nas Relações internacionais são resolvidos mediante decisão de um poder soberano capaz de impor um ordenamento jurídico eficaz, os Estados recorrem, em última análise, à prova de força, vendo-se obrigados, em vista da constante possibilidade de tal situação, a armarem-se uns contra os outros ou, se não puderem confiar só em suas armas, a apoiarem-se nas armas alheias. Está aqui, portanto, a raiz profunda da política de potência, da guerra, do imperialismo, entendido este no seu contexto mais geral, quer como expansão dos Estados mais fortes em detrimento dos Estados ou povos mais débeis, quer como imposição da vontade e dos interesses daqueles a estes.

Em 29 de Maio, no Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão, acontecerá a final da Uefa Europa League 2018-2019, entre Arsenal e Chelsea, ambos os clubes da Inglaterra. Este jogo já está acontecendo nos bastidores, tudo isso pelo fato de que o meio-campista do Arsenal, Henrikh Mkhitaryan pode não jogar, por conta de ter nascido na Armênia, país que disputa com o Azerbaijão, a região de Nagorno-Karabakh, ao longo das montanhas do pequeno Cáucaso. Por não existirem relações diplomáticas entre os dois países, a equipe teme que seu jogador não receba um visto que autorize sua entrada no país que sediará a decisão da Liga Europa. Vale lembrar que o meia não entrou em campo contra o Qarabag, na fase de grupos, pelo mesmo motivo.

A própria UEFA (União das Federações Europeias de Futebol) não deu garantias de segurança ao meia, e a possibilidade de que ele não jogue, é grande. Nestes casos, a UEFA segue um procedimento padrão, que é pedir às federações de cada país e às embaixadas das nações que facilitem e colaborem na emissão de vistos de entrada, quando necessários. Em nota, a equipe dos Gunners (Arsenal), afirmou que a prioridade sempre será a integridade física dos jogadores e a sua segurança. Mkhitaryan é um dos homens de confiança do técnico Unai Emery e da torcida.

Referências:

  1. IG. Por questões políticas, Mkhitaryan pode desfalcar Arsenal em final. Disponível em: https://esporte.ig.com.br/futebol/internacional/2019-05-10/por-questoes-politicas-mkhitaryan-pode-desfalcar-arsenal-em-final.html – Acesso em 09 de maio de 2019.

LANCE. Por conta de conflitos políticos,Mkhitaryan pode desfalcar Arsenal. Disponível em : https://www.lance.com.br/futebol-internacional/por-conta-conflitos-politicos-mkhitaryan-pode-desfalcar-arsenal.html – Acesso em 09 de maio de 2019

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. Tradução de Carmen C. Varriale et all. Brasília: UnB, 1998.