Julgamento de Nuremberg

nuremberg.jpg

Anna Victhoria Oliveira – Acadêmica do 3º semestre de Relações Internacionais

A pedida internacionalista da vez para um final de semana tão especial como esse não poderia ser outra, por isso que o Julgamento de Nuremberg, de 2000, dirigido por Yves Simoneau, é a escolha perfeita ao tratar de um marco histórico muito importante e rico às análises da área sobre temas tão sensíveis no cenário internacional atual, como o dos Direitos Humanos.

Com o recente fim da Segunda Guerra Mundial, dada a derrota da Alemanha Nazista e do Japão, até a execução do famoso e controverso julgamento inaugural no estabelecimento em que 24 líderes nazistas ocuparam os bancos dos réus pela acusação inédita de crimes de guerra. Sendo que os aliados: Estados Unidos, Inglaterra, França e Rússia (os 4 poderes reunidos) teriam o poder de decidir o destino dos criminosos, mas de forma surpreendente, com o desejo de dinamizar a discussão naquele grande evento de forma que não fosse cometido o mesmo erro que na última guerra, onde fora visível a existência de vencedores e perdedores sem qualquer aprendizado.

O que tornava toda a situação ainda mais decisiva naquele contexto em que os próprios protagonistas narram como havia grande chance de nascer uma discussão profícua e inclusive a forte possibilidade de ser além de instaurada, debatida uma base de conduta entre as nações que teria a capacidade de alterar a história para as próximas gerações, servindo não só como uma espécie de aprendizado, mas um real diálogo para que aquele tipo de atrocidade tão animalesca não voltasse a se repetir em mais nenhum lugar de qualquer maneira tal qual defendia o promotor americano Robert Jackson.

O filme, dessa forma, não poupa esforços em retratar a questão toda como um assunto internacional, a discussão sobre soberania e civilização é outra abordagem característica que torna o filme tão rico para a área de Relações Internacionais, especialmente quando é mencionada a desobediência da Alemanha Nazista aos tratados de paz tais como da Convenção de Genebra e a Convenção de Haia, ou mesmo o histórico de invasões alemãs que feria essa paz, utilizando-se de documentos e vídeos reais que tornam cada momento emocionante e único no meio daquele embate tão forte entre as diferentes realidades lá envolvidas para a tomada de decisão que mesmo depois de tantos anos, ainda tem tamanho peso, além de representar um momento decisivo para que a guerra agressiva e sanguinária viesse a ser criminalizada, representando uma quebra de padrão imensa do conflituoso século XX de forma única e fiel.

Referência:

LUIZ, André. Filmes da Segunda Guerra – O julgamento de Nuremberg. Acesso em: <https://segundaguerra.net/filmes-da-segunda-guerra-o-julgamento-de-nuremberg/ >. Acessado em: 20/04/19

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s